Entrevista com autor: Chico Anes

 Olá, queridos! É com imensa alegria que trago a entrevista com um autor super querido: Chico Anes. Ele é autor de "Sonho de Eva", seu romance de estreia pela Editora Novo Conceito. Como vocês puderam perceber, eu adorei o livro! E dignamente achei válido a presença do autor aqui no blog. Espero que gostem da entrevista e não deixem de ler "O sonho de Eva" , que é excelente! ;)

 Chico Anes: Mineiro de Barbacena, apaixonado por literatura e livros. É engenheiro eletrônico e atualmente mora em São Paulo. Coleciona discos de vinil, pesquisa alquimia e xamanismo e adora acampar.

1) Chico, quando você começou a escrever? Por que escolheu ser escritor?
Antes de escrever, fui um leitor apaixonado por livros e histórias. A narrativa envolvente e a construção das tramas e personagens sempre me atraiu. Alguns autores, como Herman Hesse, Melville, Clarisse Lispector, me tiravam (tiram) do chão com suas prosas maravilhosas. E então, com esse amor pelas histórias, comecei a contar meus próprios causos. Outra grande paixão minha são os acampamentos, e com eles as conversas em frente das fogueiras. Tive sorte de acampar com bons amigos que me incentivaram a escrever meus contos, casos e poesias, que dividi com eles ao redor da fogueira.

2) Como foi a tua trajetória como escritor?

Sou formado em engenharia eletrônica e telecomunicações. Passei longos cinco anos sentado no banco da faculdade, dando duro, debruçando sobre livros (especialmente nas épocas de prova, é verdade, onde tinha que usar as madrugadas para compensar o tempo gasto com as riquezas da juventude), até conseguir meu diploma. Penso que minha trajetória como escritor não poderá ser diferente da minha trajetória de engenheiro, ou seja, tenho que voltar para o banco de estudo e investir em algumas madrugadas a fim de aprender técnicas literárias e aprimorar minhas ferramentas. Estou estudando. E vou estudar ainda mais. Meu diploma, neste caso, será a satisfação de meus leitores; minha graduação será saber que o tempo e o dinheiro que meus leitores investirem em algum livro meu serão compensados por uma história escrita de maneira cada vez melhor.

3) Você escreveu algum outro livro antes de “O sonho de Eva”?
Sim. Quando resolvi começar escrever, sabia que precisava de duas coisas: muito estudo e “horas de voo”. Para o escritor, essas horas de voo nada mais são do que a disciplina de escrever determinado número de palavras por dia. Assim, enquanto estudava, escrevi vários contos (alguns publicados no meu site). E escrevi também um livro que levou o nome de “Pirapato, o menino sem alma”; a história de um menino clonado num laboratório alquímico que passa a questionar se um clone, alguém nascido da célula da unha de alguém, tem uma alma imortal. Pirapato é a história da busca dessa alma. Uma história que curti bastante, e usei vários elementos de alquimia em sua composição. Imprimi algumas cópias e distribuí aos amigos e críticos. Mas considero “O Sonho de Eva” realmente o meu primeiro livro profissional, escrito observando as técnicas que aprendi e estou desenvolvendo. Pirapato costumo chamar de meu ensaio atemporal.

4) Eu achei incrível a ideia dos sonhos lúcidos. Como foi que essa ideia de utilizar sonhos lúcidos surgiu? Onde você conheceu esta ideia e quanto tempo levou para executá-la em forma de livro?

A primeira vez que li sobre sonhos lúcidos foi nos livros de Carlos Castaneda. Achei a ideia tão interessante que comecei a pesquisar sobre o tema. Tempos depois consegui adquirir um livro, já fora de catálogo, chamado “Sonhos Lúcidos” de Stephen LaBerge. O livro conta como o Dr. LaBerge demonstrou cientificamente que é possível estar sonhando e ficar consciente no sonho. Pratiquei por muito tempo as técnicas que aprendi no livro. A possibilidade de experimentarmos um sonho de forma consciente era tão fantástica que tive certeza poder criar uma boa história usando esse assunto. Desde quando comecei a esboçar os primeiros elementos da trama, levei um ano para concluí-la. Daí até o livro ficar realmente pronto, com as dezenas de releituras e correções, foram mais uns bons dez meses. Posso dizer que do dia em que escrevi a primeira linha até o livro ficar pronto foram dois anos.

5) Você se inspirou em algum sonho para escrevê-lo?

Sim, inspirei-me em alguns sonhos lúcidos e nas técnicas que permitem o sonhador ter consciência de estar sonhando. Mas como eu disse no livro, contar nossos sonhos lúcidos é como fazer uma confissão, já que todas as ações são deliberadas. Vou guardar esses sonhos lúcidos para mim...

6) Como é ser escritor nos dias de hoje? O que torna este período melhor e o que torna pior?

Hoje em dia temos várias facilidades. Teclados em vez de canetas. Corretor ortográfico em vez de dicionários. Copiar e colar em vez de reescrever. Google em vez de enciclopédias. Etc. Etc. Isso tudo torna esse período melhor para quem deseja escrever um livro. O que o torna pior? Talvez a falta de cuidado com os detalhes, e o silêncio e a paciência para as necessárias garimpagens interiores.

7) Qual é a responsabilidade do escritor, em sua opinião?
Vejo duas grandes reponsabilidades. A primeira é escrever uma boa história. Uma história que pague o tempo e o dinheiro que o leitor investiu no livro. A segunda é que o ato de escrever venha acompanhado da consciência de que qualquer palavra deve ter seu valor pesado numa balança de prós e contras. Os textos, as mensagens, as histórias podem mudar a vida de alguém. E, se isso acontecer, essa mudança deve ser necessariamente para melhor! Por isso o uso consciente da tal balança. Sempre digo que o livro que tem o poder de mudar a vida de um leitor para pior deveria ficar envelhecendo na gaveta do autor.

8) Sabemos que os brasileiros leem pouco. O que você acha disso? Como podemos mudar esta realidade?
Essa realidade está mudando. Mas podemos avançar mais rapidamente melhorando a educação em nosso país, que se faz melhorando o nível de nossos governantes, o que por sua vez se consegue através do voto consciente e do exercício pleno da cidadania. Nossos deveres como brasileiros devem ser exercidos no mesmo grau de nossos direitos. Temos que escolher de forma inteligente nossos políticos, e exigir deles suas obrigações. A paixão pela leitura é produto do amor pela educação.

9) Como você vê a literatura nacional, atualmente? O que você acha que precisa melhorar e/ou permanecer o mesmo para ter mais alcance e qualidade?
Eu poderia encher várias páginas com nomes de autores nacionais de grande talento, tanto antigos quanto contemporâneos. Por exemplo, sou fã de André Carneiro; para mim um grande nome da ficção científica nacional. Digo isso para ilustrar que o Brasil sempre produziu e sempre produzirá bons escritores. Analisando o cenário atual, vivemos um grande momento: as pesquisas sobre o mercado brasileiro de livros apontam crescimento ano após ano. O número de leitores aumenta. Escritores hoje têm oportunidades que não existiam poucos anos atrás, como a internet, editoras dispostas a investir em novos talentos, ebooks... O governo vem fazendo a parte dele, com isenção de impostos na produção do livro, bolsas em concursos para autores, compra de livros para distribuição gratuita, programas como o Livro Aberto e o Arca das Letras. Vejo grandes oportunidades. Basta ao autor buscar conhecimentos para escrever obras cada vez com mais qualidade, e o leitor continuar a acreditar que nosso país produz, sim!, grandes autores.

10) Chico, agradeço de coração o carinho e a paciência com que tens atendido os teus leitores. Eu amei ler “O sonho de Eva” e espero que tua carreira seja de muito sucesso, pois mereces! Gostaria de deixar alguma mensagem/recado para os leitores do blog e os do teu livro?
Obrigado ao blog por esse espaço e seus leitores que fazem esse tipo de iniciativa dar certo. O resultado trabalho de vocês é essencial ao momento que vivemos. Vocês semeiam o amor pela literatura!
Agradeço também a todos os leitores do “Sonho de Eva” pelo carinho e pelas palavras que têm me enviado e com os comentários que venho recebendo de meus leitores são para mim a maior recompensa que um autor pode desejar. Estão em minha parede como o novo diploma que comecei a construir!

Espero que tenham gostado! Não deixe de comentar e deixar sua opinião.

Beijo grande,
Endryelle Santos.
















6 comentários:

Carla disse...

Que ótima a entrevista, Endry!! Gostei muito! E ainda fiquei super curiosa para ler "O Sonho de Eva". Beijocas :)

Sammy disse...

Foi uma entrevista ótima! O autor é super simpatico e gostei muito das respostas dele, a entrevista fez com que conhecemos melhor o Chico, e em breve quero ler sua obra *-*

Bjs

www.daimaginacaoaescrita.com

Amanda Olive disse...

aah que incrivel a entrevista, parabéns para o escritor ;D

Luiza disse...

Super show a postagem!
Seguindo o blog!!!
Convido-a para seguir:
eternamente-princesa.blogspot.com

Bjs

Jaqueline Silva disse...

Adorei saber mais sobre o Chico, adorei a entrevista Endry. Li "O sonho de Eva e adorei, hoje o Chico é um dos meus autores nacionais favoritos. *--*

Gabi disse...

Oi

Adoro entrevistas com autores! Gostei de conhecer mais um pouco sobre ele e me animei a pegar o livro para ler.

Gabi